O mundo que queremos para 2030

0
374

    No dia 7 de agosto de 2020, ocorreu a 26th Virtual Youth Assembly, uma conferência internacional para jovens organizada pela Friendship Ambassadors Foundation (FAF) com o objetivo de expor à juventude os principais desafios para o desenvolvimento sustentável e motivá-los a serem protagonistas no presente para construírem o futuro desejado. Esta conferência trabalha com foco nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), os quais estão alicerçados em 17 pontos que, com metas estabelecidas, estruturam o desenvolvimento sustentável para um mundo melhor, almejado para 2030.

    A assembleia normalmente ocorre duas vezes ao ano, em Nova York ou Washington, porém neste ano de 2020, por conta da pandemia do COVID-19, aconteceu pelas plataformas digitais disponibilizadas pela Youth Assembly, possibilitando que jovens de várias partes do mundo se conectassem de maneira mais acessível. Foram três dias de conferência, do dia 7 ao dia 9 de agosto, organizada em painéis com temas focados nos ODS. Especialistas do mundo inteiro foram convidados para palestrar a respeito dos temas em pauta, e no final de cada painel, os participantes tinham a possibilidade de participar por meio de perguntas e discussões pelo bate papo da plataforma. Além disso, a Youth Assembly viabilizou a conexão entre jovens para compartilhar conhecimentos e projetos em diversas áreas, com os mais variados pontos de vista. 

    Desde 2019, a Friendship Ambassadors Foundation busca entender como os ODS estão sendo implementados nas diversas regiões do mundo. Com o intuito de direcionar o trabalho dos jovens com os quais mantém contato, foi proposto pela equipe da organização uma pesquisa com lideranças regionais, visando as prioridades para o próximo ano de trabalho. Após as reuniões, preenchimentos de formulários e muitas conversas com trocas de experiência, a FAF chegou à conclusão de que as prioridades de todas as regiões poderiam ser representadas por três grandes eixos temáticos: Paz, Desenvolvimento Humano e Meio Ambiente.

    Durante os três dias de evento, nós, jovens da delegação brasileira, nos reunimos para expor e debater os pontos mais relevantes apresentados pelos palestrantes. Também compartilhamos o impacto em nosso desenvolvimento pessoal de ter participado desta conferência em um tempo tão incerto, que propõe vários desafios a serem trabalhados. Conforme as experiências individuais, estamos, por meio deste artigo, dividindo nossas reflexões sobre os temas, nas quais cada autor fará a sua exposição a partir da percepção obtida nestes dias em que juntos estivemos.

 

Bárbara Betts – Rio de Janeiro/RJ

“Meu nome é Bárbara Betts, tenho 25 anos, sou mestranda em Design e voluntária da FAF há um ano e meio. Trabalho diretamente com o ODS 4 (Educação de Qualidade) em um projeto que promove a potente interdisciplinaridade entre Design e Educação. Desenvolvi um jogo de peças abstratas que visa fortalecer e colocar em primeiro plano a participação de alunos como protagonistas da criação do conhecimento em salas de aula do Ensino Fundamental. A primeira vez que participei da Youth Assembly foi em fevereiro de 2018 e desde então trabalho perto da Friendship Ambassadors Foundation por ser completamente apaixonada pelo trabalho que eles fazem. Minha experiência na conferência aconteceu de maneira presencial e o que mais me chamou a atenção foi ver a General Assembly da ONU repleta de jovens engajados a transformar a realidade em que vivem. Tinha gente de todos os continentes, de lugares do mundo que eu mesma nunca tinha ouvido falar. Conheci culturas e pessoas muito diferentes e isso me possibilitou uma grande abertura de horizontes e possibilidades. Voltei para casa com vários contatos e muito animada com as parcerias que estavam por vir. Uma das pessoas que fiquei mais próxima durante o encontro, coincidentemente, pouco tempo depois me contou sobre as oportunidades que estavam se abrindo para uma maior aproximação com a FAF e foi aí que fiquei sabendo do GAIN. O Global Action for Impact Network (GAIN) nada mais é do que uma enorme rede colaborativa de jovens líderes dividida por regiões. Atualmente, sou uma das líderes responsáveis por organizar as atividades dessa rede na América Latina, junto com a Wennyta (também brasileira) e o Juan (mexicano). Somos voluntários da FAF e trabalhamos junto com os líderes das outras regiões com o grande objetivo de potencializar a criação e o desenvolvimento de projetos, além de uma enorme troca de experiências e informações sobre os ODS e nossas diferentes realidades. Poder me aproximar da organização e fazer parte da mudança que eles se propõem a liderar têm sido uma experiência incrível e com muitos aprendizados. E isso é só o começo, queremos ver outros jovens como nós ocupando esses espaços e se desenvolvendo para, no futuro, inspirarem as gerações que estão por vir a também se tornarem parte da transformação da nossa sociedade.” 

 

Gabriela Ferreira – Goiânia/GO

“Meu nome é Gabriela Ferreira, sou de Goiânia e tenho 17 anos. Atualmente trabalho com as ODS  número 5 e 11 da ONU que se baseiam, respectivamente, em igualdade de gênero e na construção de comunidades sustentáveis. Possuo um projeto de desenvolvimento sustentável que incentiva a coleta seletiva de três fases: orgânico, inorgânico e reciclável. O lixo orgânico vai para as composteiras domésticas, o reciclável para os centros de reciclagem e o inorgânico é o único descartado normalmente, diminuindo assim a produção de lixo doméstico. Além disso, recentemente entrei na ramificação de um clube feminista chamado Girl Up que atua no mundo inteiro, tendo reuniões anuais em Washington. A sede de Goiânia, em especial, visa promover o voto feminino e a participação das mulheres na política, entre outros fins, colaborando para a igualdade de gênero. Com a vigésima sexta Youth Assembly compreendi que somos os líderes de hoje e não os de amanhã, logo devemos tomar iniciativas o mais rápido o possível. Ademais, percebi que, por menor que a nossas ações sejam, elas são significantes, o que torna muito importante fazer crescer e aumentar seus impactos. Outrossim, me foi ensinado que ninguém está a salvo até todos estarem salvos, por conseguinte, tomando a empatia como base, é preciso lutar pela humanidade, a fim de assegurar os direitos humanos a todos e amenizar o caos em que nosso mundo se encontra.”

 

Helena Maria Croce – Campinas/SP

“Meu nome é Helena Maria Croce, tenho 19 anos e sou do interior de São Paulo, de uma cidade chamada Campinas. Aos 18 anos, me mudei para os Estados Unidos para estudar gestão de negócios, ter a oportunidade de vivenciar novas experiências e desenvolver projetos inovadores na área de educação. Com isso, através do networking soube da conferência Youth Assembly e realizei uma profunda pesquisa sobre seus 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS). Entre eles, me identifiquei com a proposta do ODS 4, educação de qualidade. Porque, durante meu primeiro ano em uma faculdade americana desenvolvi pesquisas sobre como influenciar os estudantes da minha comunidade a terem sucesso acadêmico. Dentre as pesquisas realizadas, observei que 52% dos alunos da minha comunidade sofriam com a falta de alimentação regular e, consequentemente, uma escassa nutrição, assim não conquistando o sucesso acadêmico. Acredito que para termos uma educação de qualidade é preciso alimentar primeiro o estômago dos alunos e depois alimentar a sua mente. Neste período, eu e meus amigos colocamos em prática um projeto no qual oferecemos comida gratuita para os estudantes através de doações de igrejas e supermercados locais. Além disso, realizei um summer job voluntário na Harvard Business School, no qual aprendi a importância de construir o nosso Edge e sermos líderes do nosso futuro – adotando ações para que os futuros estudantes possam ter acesso a todas as ferramentas necessárias para atingir o sucesso acadêmico. A proposta da Youth Assembly foi crucial para o meu desenvolvimento e amadurecimento de ideias e projetos. Pude debater com jovens líderes e ter diversos insights em como melhorar a gestão na educação. A conferência foi um divisor de águas na minha carreira acadêmica e profissional, aumentando meu raio de networking  exponencialmente.” 

 

Luiza Belém – Contagem /MG

“Meu nome é Luiza Belém, sou uma mineira de 19 anos, e, atualmente, estou em um gap year me preparando para a graduação em Economia, que pretendo começar no próximo ano. Desde o início de minha adolescência, tive grande interesse em assuntos relacionados à política internacional e direitos humanos, assuntos estes que estudei de maneira autônoma por bastante tempo e cujos conhecimentos adquiridos pude aplicar em debates e simulações dos quais participava. Ainda nova, percebi o quão limitado era o espaço para troca de experiências relacionadas à liderança e à política no Brasil. Então passei a buscar oportunidades fora da sala de aula para compartilhar meus aprendizados e discutir possíveis soluções para um mundo melhor. Nesse cenário, a descoberta da Youth Assembly, bem como de outras iniciativas organizadas pela FAF, foi um verdadeiro “gamechanger”: encontrar jovens de todo o mundo que, como eu, compartilham um propósito único de lutar pelo desenvolvimento sustentável me fez perceber que, afinal, eu não estava sozinha e que vale a pena lutar pelo que acredito. De maneira geral, inspirada na minha paixão por moda, trabalho com os objetivos de erradicação da pobreza, igualdade de gênero e consumo sustentável a partir de pesquisa sobre o mercado têxtil e seus impactos nas economias dos países em desenvolvimento. A meta? Promover a democratização do acesso a vestimentas de qualidade e, paralelamente, mitigar os efeitos negativos provocados pela indústria de fast fashion na natureza e na comunidade. Como em um grande quebra-cabeça, durante a Youth Assembly, pudemos discutir nossos projetos pessoais que, organizados cada um à sua maneira, se integram a favor de um objetivo comum: o desenvolvimento sustentável. São tantas ideias, motivações e propósitos compartilhados, que resumi-los em poucas palavras poderia potencialmente banaliza-los. Por isso, não há maneira melhor de entender a Youth Assembly do que efetivamente participar dela. Não importa sua origem ou condição social: seu projeto tem  importância, você tem o poder de mudar o mundo. E compartilhar suas ideias com uma comunidade igualmente motivada a promover transformação é o primeiro passo para gerar impacto, seja pesquisando sobre o mercado de moda como eu, ou fazendo qualquer outra coisa!

 

Marcelo Torres Ramos de Andrade – Rio de Janeiro/RJ

“Eu me chamo Marcelo Torres Ramos de Andrade, tenho 16 anos (a idade mínima para participar da Youth Assembly), sou carioca, e aluno do Colégio Militar do Rio de Janeiro. Primeiramente, gostaria de explicar não apenas como a Youth Assembly provoca um crescimento pessoal, mas também, como ela nos incentiva e nos entrega meios para ajudar as pessoas ao nosso redor. A vigésima sexta edição da YA, devido à pandemia, aconteceu virtualmente, o que à primeira vista pode parecer ruim.  Entretanto, durante os três dias de evento nós tivemos a oportunidade de conhecer pessoas de diversos lugares do mundo, criar networking e ouvir pessoas incríveis discursando, como Michelle Bachelet, ex-presidente da República do Chile e atual chefe de direitos humanos da ONU. Escutar discursos tão intensos, em conjunto com o clima fraterno entre os participantes, nos leva a pensar não só sobre o tipo de pessoas que nós queremos ser, mas também sobre o impacto que queremos causar na nossa comunidade. Junto a isso, os delegados ainda têm a oportunidade de conhecer pessoas que compartilham de seus interesses, fato este que os leva a tomar iniciativa de desenvolver projetos, ONG’s e muitas outras coisas com potencial real de impactar a sociedade. E é por este, e outros motivos, que eu digo que participar da Youth Assembly, presencial ou não, é uma oportunidade única que deveria ser conhecida por todos os jovens sonhadores desse Brasil.”

 

Maria Isabel Marquetti – Blumenau/SC

“Meu nome é Maria Isabel Marquetti, tenho 25 anos e sou de Blumenau/SC. Sou estudante de Relações Internacionais, graduação que me deu a oportunidade de abrir minha mente sobre vários temas importantes e de encontrar minha vocação. Conheci e aprendi mais sobre os ODS quando fiz parte de uma organização chamada AIESEC, na qual fui voluntária por alguns anos. O objetivo dessa organização é desenvolver liderança jovem através de intercâmbios sociais e os projetos que ela possui são baseados nos ODS. A partir daí, virei promoter e entusiasta sobre o tema. O ODS que me representa é o #4, Educação de Qualidade. Apesar de todos os objetivos estarem conectados de alguma forma, acredito que a educação é a chave para mudar o mundo. A Youth Assembly é uma oportunidade única para quem, assim como eu, se preocupa com o mundo ao seu redor e quer fazer dele um lugar melhor. Conhecer, mesmo que virtualmente, jovens líderes que possuem ideias incríveis, que estão fazendo a diferença nas suas comunidades e que possuem uma mentalidade parecida com a minha é muito gratificante. Saber que não estou sozinha na missão de disseminar a conscientização sobre os ODS para outros jovens líderes no mundo é fascinante. Desenvolver liderança jovem não é algo fácil, mas o que aprendi na Youth Assembly é que juntos somos mais. Prestar atenção ao meu redor e não se conformar com tudo que vejo é o primeiro passo. E mais do que isso, é ir além e realmente fazer algo para fazer a diferença e deixar o meu legado.” 

 

Vivian Garcia Jacob dos Reis  – Rio de Janeiro/RJ

“Meu nome é Vivian Garcia Jacob dos Reis, tenho 19 anos e sou do Rio de Janeiro, mas atualmente moro nos Estados Unidos. Estou cursando Relações Internacionais em uma universidade americana, a qual me abriu portas para diversas oportunidades que eu não imaginava ter. Por conta do meu curso de graduação ser relacionado a interações internacionais e conexão de pessoas de diversas partes do mundo, decidi criar um projeto pessoal onde compartilho meu conhecimento sobre oportunidades estudantis e profissionais no exterior. Comecei esse projeto pessoal na rede social Instagram que se chama @vivianeua onde eu incentivo, ensino e mostro as diversas oportunidades internacionais com bolsas de estudo ou com custos muito baixos para que estudantes brasileiros de renda baixa possam participar. Atuamos com ensino médio, graduação e mestrado nos EUA e até intercâmbios voluntários, sociais e estágios internacionais. Foi por meio do projeto  que descobri a Youth Assembly, uma oportunidade incrível e super educativa, porém não muito conhecida por conta da falta de informações em algumas partes do Brasil e do mundo. Na conferência da Youth Assembly pude aprender mais sobre ODS e caminhos que podem solucionar partes dos nossos problemas globais. Durante a conferência, pediram para escolhermos uma das 17 ODS da ONU. Visando o que acredito  e venho explorando no meu projeto pessoal, escolhi a ODS #4, educação de qualidade. Acredito que educação é a base de tudo. Com educação de qualidade podemos ter acesso a aprendizados sustentáveis, formas corretas de interações sociais, desenvolvimento pessoal, um olhar positivo em relação ao mundo em que vivemos, entre milhares de outros aprendizados que poderiam solucionar a maioria dos problemas mundiais da atualidade. Com a Youth Assembly fui capaz de desenvolver minhas ideias e conhecimento sobre como melhorar a educação precária de alguns lugares e fortalecê-la ao redor de várias cidades. Além disso, essa conferência me deu a oportunidade de conhecer pessoas incríveis, com pensamentos e ideais iguais aos meus, e fomos capazes de compartilhar e desenvolver novos projetos que, sem um grupo de jovens que pensem de uma maneira positiva, não seria possível. Acho que o mundo ainda tem uma mente muito fechada sobre desenvolvimento e liderança pessoal e profissional, porém, sabendo que existem jovens líderes buscando disseminar conhecimento, inovações e projetos sociais ao redor do mundo, me sinto mais motivada a continuar essa caminhada na busca de uma melhora global, sabendo que existem pessoas que vão me apoiar e farão o mesmo. Acredito que ainda são poucas as pessoas que sabem sobre esse projeto excepcional (Youth Assembly). Sei que é um passo pequeno, mas posso dizer que um dos mais importantes para essa jornada em busca de um mundo melhor!!”

 

Wennyta Pinheiro – Juazeiro do Norte/CE

“Meu nome é Wennyta Pinheiro, tenho 22 anos, sou de Juazeiro do Norte/CE, e curso Arquitetura e Urbanismo. Minha jornada no meio ativista começou em 2016, dentro da universidade, buscando a democratização dos espaços públicos, seja por meio de intervenções ou atividades educacionais. Isso abriu portas para eventos e premiações, assim como um maior entendimento da necessidade de contribuir para a construção de comunidades resilientes. Alguns outros projetos surgiram ligando a pauta feminista à área da construção civil e ao processo de desenvolvimento urbano e planejamento das cidades. Em 2019, tive a oportunidade de participar presencialmente da Youth Assembly em NYC, representando o Brasil com as ODS 4 – educação de qualidade, 5 – igualdade de gênero e 11 – cidades e comunidades sustentáveis. Foi uma experiência transformadora. Após retornar, me inscrevi para duas vagas de voluntariado junto à FAF e pra minha surpresa fui selecionada. Hoje, junto de Bárbara Betts (brasileira) e Juan Vasques (mexicano), lideramos o LATCAR GAIN Hub. Quando a FAF entendeu que apenas o evento não bastava, que eles precisavam construir uma rede para dar continuidade às pautas abordadas no evento, surgiu o GAIN Global Action Impact Network (rede de ações de impacto global). Dividido por regiões, somos responsáveis por conectar jovens de toda América Latina e Caribe que alguma vez fizeram parte da YA, dando espaço para a expansão desses conexões, desenvolvendo atividades conjuntas e fornecendo suporte para desenvolvimento de projetos. Um dos maiores aprendizados da Youth Assembly é que ações isoladas podem causar um pouco de impacto, mas juntos somos muito mais fortes. É compreender que não estamos lutando sozinhos ao tentar fazer do mundo um lugar melhor, e sim que somos parte de algo muito maior, um movimento mundial de mudança. A Youth Assembly é uma realização para jovens ativistas, ela empodera e reafirma a nossa importância, nos impulsionando a buscarmos cada vez mais alcançar nossos objetivos. Fazer parte do time da Friendship Ambassadors Foundation é me orgulhar de fazer algo que acredito, inspirar e ser inspirada diariamente por tantas e tantas histórias que estão construindo o nosso futuro.”

 

Yasmin Lee Stremel Barros – Foz do Iguaçu/PR

“Meu nome é Yasmin Lee Stremel Barros, tenho 17 anos e sou de Foz do Iguaçu. Estarei começando a universidade em setembro em um curso voltado a política internacional e gestão de empresas. Em minhas reflexões da conferência absorvi o quão importante é a educação como base fundamental para o desenvolvimento de qualquer sociedade. No Brasil, um dos grandes entraves do desenvolvimento nacional é a educação: apenas 58% dos jovens com 19 anos têm ensino médio completo¹. Com essa realidade, o desafio é possibilitar que a educação seja algo imprescindível para o jovem brasileiro. Através da educação este jovem vai desenvolver o respeito e a cidadania, mas principalmente, desenvolver ferramentas que vão possibilitar que ele crie um ambiente melhor para todo o meio no qual está inserido. Um jovem educado consegue abrir horizontes e gerar novas oportunidades para a sua comunidade e para o mundo. Uma das mensagens mais marcantes que a conferência da Youth Assembly me deixou é que não basta simplesmente arrumar soluções globais para os problemas mundiais, mas precisamos olhar a comunidade que está ao nosso redor e entender quais são as mudanças que cada uma exige, respeitando culturas, entendimentos, capacidades e condições próprias a cada realidade. Compreender que não existe uma única solução para os problemas que enfrentamos, mas sim uma multiplicidade de soluções complexas para cada caso, respeitando as características econômicas, sociais e geográficas. Por ser um país muito grande, com muitas diferenças, o Brasil deve ser pensado de forma regional, levando-se em conta as características de cada uma das regiões. Para serem eficientes, as políticas públicas precisam estar conectadas à realidade de cada localidade a qual ela será aplicada. Os problemas são múltiplos e estruturais em algumas comunidades, faltam desde acesso à água potável, tratamento de esgoto, condições mínimas de saneamento básico e falta de alimentos com nutrientes, que afetam diretamente a formação e desenvolvimento da cognição. Estes são temas primários, que devem ser observados. Estas reflexões me provaram que todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU estão interligados e que não basta solucionar apenas um dos objetivos até 2030, mas sim, que eles devem ser trabalhados em conjunto, para que uma meta impulsione a outra. Porém, é essencial o trabalho e o engajamento do jovem para que as metas sejam alcançadas com sucesso. Ter participado da Youth Assembly significou para mim uma experiência incrível, na qual tive a oportunidade de me envolver com jovens do mundo inteiro que estão empenhados em fazer a diferença. Foi também de extrema importância ter me conectado com outros delegados que estavam representando o Brasil, pois se abriu um espaço em que compartilhamos ideias e debatemos temas de importância para o desenvolvimento de nossas comunidades. Com isso, finalizo convidando a todos os jovens a se engajarem em situações políticas da comunidade, para que mais pessoas passem a entender os problemas específicos de suas regiões e por fim, encontrar maneiras de solucioná-los em um ambiente democrático, com escolhas de representantes que estejam comprometidos com ações concretas para o avanço da cidadania.”

¹ Evasão, U., 2020. Evasão Escolar – Ministério Da Educação. [online] Portal.mec.gov.br. Available at: <http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/36092> [Accessed 13 August 2020].

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Digite seu nome