Lançamento do (Re)Definições das Fronteiras tem participação das universidades de Coimbra e Salamanca

0
195
Professora Daniela Nascimento (Universidade de Coimbra/Portugal) fala na mesa de abertura do evento

 

“A região de fronteira é uma região diferenciada e como tal deve ter um tratamento também diferenciado”. A afirmação do Promotor de Justiça de Dourados (MS), Ricardo Rotunno, deu o tom da abertura de lançamento do IV volume do (Re)Definições da Fronteiras: desenvolvimento, segurança e integração, realizada na manhã desta quinta-feira (24). O livro é uma publicação da Editora IDESF e traz 25 artigos em português, espanhol e inglês sobre as regiões fronteiriças.

O Seminário Internacional teve participação dos professores da Universidade de Salamanca, Juan Santos Vara, e de Coimbra, Daniela Nascimento e Inês Souza, com exposição sobre questões migratórias envolvendo a União Europeia. O lançamento continua à noite, das 19h às 22h desta quinta e sexta-feira (24 e 25.09), com transmissão gratuita pelo canal do IDESF no Youtube. A mediação é do presidente do IDESF, Luciano Barros, e do professor José Fernando Ludwig, organizadores da obra.

Barros destacou a evolução da publicação, que em suas quatro edições soma mais de cem artigos publicados, e Ludwig mencionou a despretenciosidade do projeto no início, enfatizando a evolução do trabalho até este quarto volume. O prefaciador do livro, delegado a Polícia Federal, Alessandro Maciel Lopes, disse que a fronteira durante muito tempo ficou relegada enquanto tema de pesquisa.  “O IDESF coloca as fronteiras na pauta acadêmica”, afirmou Lopes.

Na primeira mesa de apresentações, o evento teve ainda apresentações dos pesquisadores Nahuel Oddone e Mariano Pauluk com o tema ‘Sem cruzar a fronteira não há integração: Monte Caseros, Bella União e Barra do Quaraí no diálogo regional’; Guilherme Cunha Werner, ‘Corrupção transnacional e Sistema Financeiro Internacional’; Ricardo Rotunno, ‘Corrupção: consequências para o desenvolvimento da fronteira’ e Alessandro Chichoski, ‘Securitização do Crime Organizado Transnacional na América do Sul e o surgimento de novas ameaças’. As apresentações tiveram acompanhamento de mais de uma centena de participantes, via youtube.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Digite seu nome